Cirurgia Cardíaca Neonatal e Pediátrica
Minutos que podem salvar uma vida inteira. O sucesso das Cirurgias Cardíacas Neonatais e Pediátricas começam pela precisão diagnóstica e pela eficiência imediata de atendimento. Mas são as equipes ultraespecializadas e técnicas arrojadas que garantem a vida de um número cada vez maior de recém-nascidos no Brasil.
Tênue é a linha que divide minutos de sobrevida de recém-nascidos cardiopatas de uma perspectiva vitoriosa e saudável. E é nesta delicada diferença que a atua uma das mais reconhecidas equipes de cirurgia cardíaca pediátrica do Brasil, a equipe médica do Grupo Perinatal.

Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular apontam o surgimento anual de 28.846 novos casos de cardiopatias congênitas no Brasil, o que corresponde a cerca de 1% das crianças nascidas anualmente. Só no Rio de Janeiro são 2,1 mil casos de cardiopatia congênita anuais.

O Grupo Perinatal realiza o maior número de cirurgias cardíacas no Rio de Janeiro, em sua unidade Barra, somando 25 procedimentos por mês. A taxa de sobrevida das cirurgias feitas na Perinatal é de 94,2%, resultado próximo aos melhores centros internacionais.

A maioria das cardiopatias podem ser diagnosticadas ainda no feto, ratificando a importância da excelência no acompanhamento pré-natal. Quanto mais cedo identificada a cardiopatia, melhores e mais eficientes podem ser as iniciativas logo após o parto.

O procedimento de detecção intraútero (diagnóstico precoce) para prevenir cardiopatias congênitas é realizado por meio da ecocardiografia fetal, um exame de ultrassom com ênfase no coração.

Devido a nossa grande experiência,o grupo Perinatal foi escolhido pela Secretaria Estadual de saúde do Rio de Janeiro para realizar cirurgias cardíacas em recém nascidos e pacientes pediátricos de todo o Estado. Ao todo, mais de 500 pacientes já foram beneficiados pela parceria, firmada em novembro de 2009

A Perinatal disponibiliza 12 leitos individuais para pacientes cardíacos e uma equipe multidisciplinar 24 h por dia.

Algumas patologias tratadas:


Hipoplasia. O procedimento cirúrgico para correção da hipoplasia de cavidades esquerdas se propõe a reconstruir a principal metade do coração (formado parcialmente) de um recém-nascido. Quando a cirurgia ainda não era oferecida no Rio de Janeiro, o índice de mortalidade era de 100%.


Cirurgia de Norwood. Visa confeccionar uma artéria aorta, desviar o sangue que irrigaria os pulmões e estabelecer uma comunicação entre os átrios. Esses são pacientes muito graves, com predisposição a diversas complicações, o que exige uma equipe muito treinada, além de equipamentos de grande precisão. Apenas o Grupo Perinatal oferece o procedimento no Rio de Janeiro, que, ao lado de São Paulo, são os únicos locais de atendimento no Brasil. Tratamentos semelhantes só são encontrados também nos Estados Unidos, Japão e alguns países da Europa.


Doença de Ebstein. Consiste no comprometimento do lado direito do coração, de difícil reconstituição. A técnica corretiva se tornou reconhecida em todo o mundo por preservar as válvulas do paciente, ao invés do uso de válvulas artificiais, o que exigia novas cirurgias apenas para a substituição das próteses.


Transposição com Comunicação Interventrícula (CIV) e EP. Vasos trocados promovem a irrigação de áreas erradas, sendo necessária a mudança de posicionamento da aorta e da artéria pulmonar, paralelamente ao processo de desobstrução dos canais, novamente preservando as válvulas naturais do paciente.


Outras cardiopatias frequentes:
Comunicação interatrial (CIA), persistência do canal arterial (PCA), tetralogia de Fallot, transposição das grandes artérias, doença do ventrículo único (que inclui a hipoplasia de cavidades esquerdas).

À frente desta equipe médica altamente qualificada está a Drª Sandra de Jesus Pereira, especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria, em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, especialista em Cardiologia Pediátrica pela Sociedade Brasileira de Pediatria e de Cardiologia, com treinamento em pós-operatório de cirurgia Cardíaca no Children’s Hospital de Boston (centro de referência de cirurgia Cardíaca Pediátrica nos Estados Unidos) e chefe de Cardiologia Pediátrica do Hospital dos Servidores do Estado. Alem disso Dra Sandra é membro e foi representante da America do Sul pelo Pediatric Cardiac Intensive Care Society de 2006 a 2010.

A chefia da equipe cirúrgica é do Dr. Jefferson Magalhães treinado no serviço do Dr. José Pedro da Silva em São Paulo e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular.

Cirurgias de altíssima complexidade e casos raros são operados pelo Dr. José Pedro da Silva. O Dr. José Pedro tem treinamento em Cirurgia Cardíaca na Cleveland Clinic e no Children’s Hospital de Boston (EUA). Ele é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, da Society of Thoracic Cardiovascular of Surgeons e é reconhecido internacionalmente pelas técnicas cirúrgicas que desenvolveu.